Seja bem vindo, mistico buscador!!!!

Acompanhe minhas postagens e aprenda o caminho para a luz e para o conhecimento oculto



quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Baphomet - Um hieróglifo

Bafomé – um hieróglifo





            A primeira ideia que vem a nós é que essa figura de Eliphas Levi, o mago e ocultista, representa o diabo. Contudo o caduceu entre as pernas leva claramente a uma referência hermética, bem como o ser inteiro parece se referir a certos deuses ou energias. É um hieróglifo simbólico e deve representar um conceito mágico, acessível somente a iniciados ou iluminados. Tanto a cabeça como a referência ao bode parece nos levar aos deuses pagãos Pã e Dionísio, sendo representações da totalidade, do Uno etc. Além da dualidade, então não pode ser um diabo cristão (ou Ahriman do Zoroastrismo...). É anterior ao cristianismo. Hoje não há mal nenhum em se falar todos somos um, sendo até recente manifestação esotérica nesse sentido.
            O ídolo segundo dizem era usado pelos templários, e parece por esses ter sido introduzido como herança junto ao oriente.  Também certas lojas maçônicas fazem uso do símbolo, o que como outros símbolos alquímicos, herméticos, mágicos e cabalísticos, leva a certa interpretação equivocada por parte de profanos. Chamado também de a serpente-leão. A origem parece ser incerta mesmo assim. Há a referência a três cartas de tarô e três esferas cabalísticas da árvore da vida, sendo a cabeça ligada à carta do diabo, o ventre feminino a carta da arte e o ventre de escamas de peixe ligado a carta morte (que significa transformação, renovação...). Por outro lado, quanto a satanistas, estes ainda entendem que o tal Baphomet é a esposa de Satã, um também demônio.
            No Egito antigo existiu mesmo um tal bode de Mendés. Contudo, percebo que a figura não está muito desconectada das bestas (ou feras) bíblicas, como as descritas por Ezequiel e ao Apocalipse, sendo figura mitológica e representando um evento cósmico, até celeste ou terrestre. Pelo Zohar, livro referência em cabala,  a tradição mística judaica, há animais chamados Jaiot, os quais participam de um equilíbrio celestial, sustentando estrelas etc. Tais animais se ligam aos Arcanjos e são representações destes, apesar de nossa cultura insistir em querer ver anjos ou grandes forças divinas como crianças nuas com asas branquinhas. Sobre esses animais simbólicos, escreverei um comentário a respeito do Apocalipse bíblico.
            Encerra todo esse ser como um hieróglifo cabalístico, e todas as escrituras da Bíblia respeitam essas chaves, acessíveis a pouquíssimos homens, iniciados e iluminados. Não que não exista um diabo, mas que este é na verdade uma entidade egregórica produzida pela união de todas as mentes perversas desse mundo (concordo com Frater Velado nesse sentido), manifestada em crimes e seres desequilibrados, que não duvidamos existir, pois convivemos com os mesmos na sociedade. Mas uma figura que desperta aversão sempre causa polêmica, e o tal Bafomé é o mais famosos desses seres fabulosos.

Um comentário: